Expert 2020

expert

Olá! Este é um espaço exclusivo da Ibiuna Investimentos para os participantes da Expert XP 2020. Aqui você encontra mais detalhes sobre a casa e nossos produtos.

Agenda na Expert

Na edição deste ano da Expert a Ibiuna estará presente nas lives abertas e também em um sala virtual aberta para todos tirararem dúvidas sobre a empresa e nossos produtos. Confira os detalhes abaixo.

15 de Julho
17h Live com Rodrigo Azevedo - Política Monetária pós pandemia: cenários e oportunidades.
Link para a Live: https://youtu.be/JOIY4zNFlEk

Aproveite para conversar com integrantes do time da Ibiuna.

Temos uma sala na plataforma Zoom que ficará aberta nos dias 14, 15 e 16 de julho, em dois horários: das 10h30 às 12h00 e das 15h30 às 17h00.

Link para a sala: https://us02web.zoom.us/j/7630166626

Sobre a Ibiúna

Com mais de 10 anos de história, a Ibiuna Investimentos é um grupo de gestão de investimentos que conta atualmente com mais de R$ 13 bilhões em ativos sob gestão distribuídos em duas famílias de fundos: multimercado macro e renda variável.

A casa foi fundada por Mário Torós e Rodrigo Azevedo, ex-Diretores de Política Monetária do Banco Central do Brasil e ex-executivos dos bancos Santander e Credit Suisse, respectivamente. Eles são responsáveis pela estratégia multimercados macro, composta pelos fundos Ibiuna Hedge, Ibiuna Hedge STH e Ibiuna Previdência.

Em 2011 se juntou ao time André Lion, com a missão de fundar a área de renda variável da empresa. André tem mais de 20 anos de experiência na gestão de fundos de ações, tendo passado 14 anos na Itaú Asset Management e 4 anos na BRZ Investimentos. Ele é responsável pela gestão dos fundos Ibiuna Long Short, Ibiuna Long Biased, Ibiuna Long Biased Previdência e Ibiuna Equities.

A empresa objetiva gerar retornos superiores e consistentes ao longo do tempo, tendo como base seu sólido time de gestão, método e disciplina nos processos, forte cultura meritocrática e elevados padrões de governança e infraestrutura.

Gestão Macro

Mário Torós e Rodrigo Azevedo lideram equipe composta 15 profissionais de investimento. A estratégia tem como foco explorar ciclos de política monetária no mundo.

Mário Torós

Sócio-fundador e co-CIO da estratégia Macro. Ex-diretor de Política Monetária do Banco Central do Brasil. Ex-tesoureiro do Banco Santanter.

Rodrigo Azevedo

Sócio-fundador e co-CIO da estratégia Macro. Ex-diretor de Política Monetária do Banco Central do Brasil. Ex-economista do Banco Garantia. Ex-diretor da Anbima.

Comentário da Gestão Macro: Perspectivas para julho/2020

O Ibiuna Hedge STH FIC FIM rendeu +0,94% em junho, acumulando alta de 10,3% no ano e de 18,5% (403% do CDI) em 12 meses. Esse resultado refletiu nosso posicionamento recente ainda cauteloso à luz de grandes incertezas em cenários de curto prazo, reduzida liquidez e elevada volatilidade nos preços de ativos de risco. Mesmo assim, voltamos a aumentar gradualmente o uso do orçamento de risco diante do que vemos como uma paulatina dissipação das incertezas para o segundo semestre. O pior da contração de atividade global causada pela pandemia parece ter ficado para trás, o vale da recessão se deu em abril/maio e a magnitude da surpresa nos dados recentes de atividade indica que o consenso dos analistas estava excessivamente pessimista. O principal risco adverso segue sendo a possibilidade de que uma segunda onda de contágio afete as perspectivas de recuperação da economia no segundo semestre. No entanto, as possibilidades de tratamento/vacina e, principalmente, a magnitude dos estímulos fiscal e monetário implementados mundo afora vêm dando sustentação à expectativa de retomada da economia global. Nesse ambiente, vemos como principal tema global neste segundo semestre a provável re-inflação gradual de preços depois do forte choque deflacionário imposto pela pandemia. Isso deve se traduzir no curto prazo na continuidade de estímulos monetários elevados, em um Dólar globalmente mais depreciado, pressão em preços de commodities e inflação de preços de ativos financeiros.
No Brasil, esse ambiente mais construtivo deve ser temperado pela incerteza que cerca a fragilidade fiscal exacerbada pelo Corona vírus e a combinação entre turbulência política e uma pandemia que resiste bravamente a se dissipar. Neste contexto, a estratégia macro detém as seguintes principais posições: Na renda fixa, temos no Brasil posições residuais aplicadas na parte curta e intermediária da curva de juros DI, diante da possibilidade de um novo corte da taxa Selic para 2,0% ou menos. Por outro lado, o cenário acima descrito implica em uma assimetria relevante nos atuais níveis de inflação implícita, o que nos levou a aumentar o risco alocado a posições compradas em inflação nas partes curta e intermediária da curva. Nos Estados Unidos, mantivemos posição aplicada em US Treasuries na parte intermediária da curva diante da sinalização pelo FED da disposição a empreender novos estímulos que podem incluir operações de controle da curva nominal de juros (yield curve control). No México, mantemos a exposição aplicada na curva de juros TIIE diante do que ainda vemos como atrativa oportunidade: a forte recessão e elevação do desemprego abrem espaço para a taxa de juros cair a terreno expansionista, próximo ou inferior a 4,0% antes do fim do ano.
Na renda variável, o cenário de re-inflação global alimentado pelo elevado grau de estímulos monetário e fiscal embasa posição comprada na bolsa americana e no Ibovespa. Ainda no Brasil, mantemos a exposição visando a captura de alfa puro via posições long-short não direcional. No portfólio de moedas, vendemos o Dólar americano contra uma cesta de moedas G-10 e emergentes de qualidade. Essas posições tem sido combinadas com um posicionamento tático comprado em US Dólar vs o Real. Em Commodities, adicionamos o Cobre à exposição comprada em ouro.

Gestão Renda Variável

André Lion lidera equipe composta por 11 profissionais de investimento. Foco em análise fundamentalista e visão pragmática.

André Lion

Sócio-diretor e CIO da estratégia de Renda Variável. Ex-gestor de renda variável do Itaú Asset Management e da BRZ.

Comentário da Gestão Renda Variável: Perspectivas para julho/2020

A bolsa de valores brasileira teve mais um mês positivo em junho, com o Índice Bovespa valorizando-se em 8,7% no período. Com esta 3ª alta mensal consecutiva, o índice agregado retomou o patamar dos 95.000 pontos, o mesmo visto durante o primeiro semestre de 2019. Neste cenário, o destaque entre os nossos fundos de renda variável foi o Ibiuna Long Short STLS FIC FIM com rendimento de +2,36% no mês, acumulando um retorno de 14,6% (10% acima do CDI) em 12 meses.
Em junho, nós vimos poucas informações novas em relação à pandemia de COVID-19 no Brasil. O número consolidado de novos casos no país continua apresentando crescimento pouco abaixo de 5% por semana, mas com um comportamento da epidemia bastante diferente entre regiões. Enquanto as áreas que apresentaram forte crescimento de contaminados nos períodos anteriores estão conseguindo atingir algum sucesso no controle do vírus, cidades e estados que estavam em situação confortável começaram a mostrar grande crescimento no número de contaminados. Como consequência, estamos vendo diferentes processos de “aberturas” e “fechamentos” espalhados pelo país (processo semelhante está acontecendo nos EUA).
Do ponto de vista econômico, os sinais são marginalmente positivos apesar da enorme crise. No transcorrer do mês foram publicados alguns indicadores de atividade e confiança que indicaram que a economia doméstica não só contraiu menos do que esperávamos, mas também já iniciou o processo de retomada. O mesmo aconteceu com os dados semanais publicados por algumas empresas, que apresentaram crescimentos consecutivos e estão voltando para patamares próximos aos níveis pré-pandemia. Dado esse cenário econômico mais construtivo e aproveitando o valuation atrativo de algumas empresas, nós começamos a montar posições em Petrobras (PETR4), Carrefour (CRFB3) e BB Seguridade (BBSE3), além de aumentar nossas posições em Via Varejo (VVAR3), Eletrobras (ELET6) e Bradesco (BBDC4). Mantivemos relativamente estáveis nossas posições em distribuição de combustíveis (BRDT3 e UGPA3), educação (YDUQ3) e proteínas (JBSS3).
Do lado microeconômico, o marco legal do saneamento básico finalmente foi aprovado no Congresso Nacional, definindo metas e regras para o setor. Ainda que seja uma excelente notícia para o país, nós acreditamos que os efeitos práticos para as empresas demorem a se tornar tangíveis e, portanto, reduzimos marginalmente nossa posição em Sanepar (SAPR11) dada a performance recente. Também em junho foi publicado o novo plano de reorganização da Oi (OIBR3), que mostrou claramente as expectativas dos valores dos ativos e o objetivo de reposicionamento estratégico da empresa, continuando assim o processo de redução de risco em nossa tese de investimento na companhia.

Saiba Mais

Rentabilidades

Fundo Data de Início Valor da Cota Dia Mês Ano 12M Início PL Atual PL Médio
MACRO 24/02/2021
Ibiuna Hedge FIC FIM 29/10/2010 297,5657554 0,32% 2,00% 1,43% 10,04% 197,57%
FIC: 1.425
Master: 2.979
FIC: 850
Master: 1.853
% CDI 4.218% 1.675% 533% 412% 138%
Ibiuna Hedge STH FIC FIM 30/11/2012 285,4585972 0,47% 2,98% 2,11% 15,87% 185,46%
FIC: 7.588
Master: 11.273
FIC: 6.201
Master: 8.593
% CDI 6.274% 2.489% 784% 651% 188%
PREVIDÊNCIA 25/02/2021
Ibiuna Previdencia FIC FIM 25/02/2011 3,7356463 0,46% 2,44% 1,74% 12,44% 189,14%
FIC: 63
Master: 2.792
FIC: 74
Master: 1.968
% CDI 6.222% 1.921% 628% 512% 140%
Ibiuna Previdencia Icatu FIM 19/09/2013 213,8010715 0,48% 2,54% 1,83% 11,72% 113,80%
FIC: 480
Master: 1.050
FIC: 357
Master: 734
% CDI 6.369% 1.996% 663% 482% 130%
Ibiuna Previdencia XP Seguros FIC FIM 25/09/2020 103,2689535 - - - - -
FIC: 80
Master: 2.792
FIC: 67
Master: 1.968
% CDI - - - - -
PREVIDÊNCIA 24/02/2021
Ibiuna I Previdencia Itau FIC FIM 15/08/2019 111,2942457 0,47% 2,76% 1,76% 6,42% 11,29%
FIC: 195
Master: 556
FIC: 163
Master: 508
% CDI 6.257% 2.305% 652% 264% 223%
Sulamerica Ibiuna Long Biased Prev FIM 23/04/2018 120,430139 0,21% 0,99% 0,39% -3,52% 20,43%
FIC: 48
Master: 48
FIC: 46
Master: 46
% CDI 2.819% 830% 143% - 147%
AÇÕES 24/02/2021
Ibiuna Long Short STLS FIC FIM 31/07/2013 217,898608 0,48% 1,03% 1,14% -1,79% 117,90%
FIC: 517
Master: 1.628
FIC: 571
Master: 1.611
% CDI 6.469% 862% 422% - 132%
Ibiuna Long Biased FIC FIM 20/05/2013 278,6039012 0,66% 2,86% 0,55% -9,86% 178,60%
FIC: 197
Master: 198
FIC: 232
Master: 233
Dif. IMA-B 0,96% 3,85% 2,39% -12,34% 46,47%
Ibiuna Equities FIC FIA 29/07/2011 321,9010524 0,80% 2,25% -2,27% -11,66% 221,90%
FIC: 128
Master: 298
FIC: 131
Master: 321
Dif. IBRX 0,36% 0,89% -0,56% -12,17% 70,61%
Ibiuna Equities 30 FIC FIA 19/01/2017 177,7106906 0,80% 2,24% -2,27% -11,26% 77,71%
FIC: 98
Master: 298
FIC: 118
Master: 321
Dif. IBRX 0,36% 0,88% -0,55% -11,77% -10,81%
CRÉDITO 24/02/2021
Ibiuna Credit FIC FIM Cred Priv 31/07/2020 103,8621927 0,02% 0,83% 1,43% 3,86% 3,86%
FIC: 66
Master: 67
FIC: 42
Master: 42
% CDI 306% 697% 532% 364% 364%
TOTAL AUM 20.861MM